Irrevente, jovem e humana. Assim é descrita a Glintt Inov pelas palavras de Hugo Maia, innovation director. Em entrevista à Briefing, revista especializada em marketing, o diretor explica qual o propósito da Inov, a sua estratégia e quais os próximos passos.

Não há uma fórmula mágica para a inovação. Há que questionar, desafiar os preconceitos já instituídos, pensar fora da caixa.

“Criamos soluções para serem utilizadas por pessoas, e que têm como destino final outras pessoas. É muito importante ter isto presente”, afirma o diretor, argumentando que, mesmo tratando-se, por vezes, de transformações pequenas, elas melhoram sempre a experiência das pessoas.

Atualmente, metade dos projetos que a Glintt Inov acompanha são subsidiados. “Colocaram-se as candidaturas para financiamento público e foram aprovadas. A outra metade é investimento direto nosso”.

 

Próximos passos: uma aceleradora ibérica

Passado um ano e pouco desde o seu lançamento, os próximos passos na estratégia de crescimento estão bem definidos. O caminho será trabalhar para transformar a plataforma numa aceleradora de startups para a área do digital health, porque vai permitir “ter acesso a outros instrumentos, outras tecnologias e diferentes formas de olhar para o negócio da Saúde”.

Hugo Maia detalha este ponto. O grande objetivo é dar continuidade ao trabalho que já vem sendo desenvolvido em Portugal, mas dar-lhe um novo alcance, chegando até Espanha – a empresa transforma-se, assim, num ecossistema ibérico de inovação totalmente dedicado à saúde digital.

“A Glintt Inov pretende agora reforçar a sua estratégia de Open Innovation, ao dar a oportunidade a clientes e a parceiros de se candidatarem, assim como ajudar as empresas que se encontrem a desenvolver, validar ou comercializar projetos na área do Digital Health, a terem acesso ao contexto e mindset certo sobre o futuro da saúde”, adianta ao jornal Vida Económica.

 

Os novos projetos

Tendo como missão a procura pelos projetos mais inovadores e que respondam aos desafios cada vez mais complexos do setor da Saúde, a Glintt Inov selecionou quatro projetos, nos quais está a investir, que resultam de um processo de desenvolvimento de ideias interno, o “Ciclo INOV”, mas também da realização do seu primeiro Hackathon, o Hacking Health:

  • GPS – uma app que pretende dar informação sobre as farmácias que têm em stock, nesse preciso momento, o produto de que necessitamos
  • EVA – um chatbot em linguagem natural que pretende ser um interface entre os utilizadores e a tecnologia, nomeadamente nos serviços hospitalares
  • Vigipharma – uma plataforma mobile interativa para o registo, report e controlo das reações adversas dos medicamentos
  • Quest – um chatbot que pretende facilitar o controlo das receitas médicas e a interação das pessoas com a sua farmácia.

 

Leia os artigos na íntegra aqui e aqui.